Poetas… e eu

2 nov

Já comentei, sem medo de errar:
Talvez, hoje, o que mais me agrada é estar em contato com poetas…esclareço que a maioria deles já retornou ao Olimpo.

Haverá,
ainda,
no mundo,
coisas tão simples
e tão puras
como a água bebida
na concha das mãos?

Mário Quintana

Suponho que sim …Aquele que não se condena por beber de maneira tão infantil, tão ingênua, tão simples e tão primitiva.

Moinho de versos
movido a vento
em noites de boemia
Vai vir o dia
quando tudo que eu diga
seja poesia.

Paulo Leminsky

Em noites de boemia
é fácil criar poesia…
Sobram-me as noites…
Falta-me a boemia.

Dinah

Nunca cometo o mesmo erro
duas vezes.
Já cometo duas três
quatro cinco seis
até esse erro aprender
que só o erro tem vez.

Paulo Leminsky

Um erro cometido
2, 3, 4, 5…mil vezes,
talvez não seja um erro.
Talvez seja um acerto
em um baile de máscaras.

Dinah

Eu grito daqui
Você grita daí
Quem berrar mais alto
é que tem razão

O Rebelde

Não exijo ter razão
Destarte, não grito.
Prefiro falar baixinho
vestindo-me, ou não, de razão.

Dinah

Quero muito que venha o dia em que TODOS falem em ritmo de poesia…

Calmamente, espero… Sou teimosa! Vem comigo!

Anúncios

8 Respostas to “Poetas… e eu”

  1. Rejane 5 de fevereiro de 2010 às 20:45 #

    Humm…falar em ritmo de poesia?
    Acho que não é pra mim não.
    Não sou poeta. Gosto da poesia, admiro quem sabe fazer poesia, mas acredito que não é pra todos.
    Bjs
    Rejane | 02.11.09 – 1:46 pm | #

  2. Sônia Regina 5 de fevereiro de 2010 às 20:45 #

    Encantei-me com as “conversas” entre os poetas!

    Mais uma para a poetisa responder:

    “Nem toda obra é grande,
    nem toda obra é prima.
    Umas são mães,
    outras irmãs,
    algumas apenas clima…

    Paulo Leminski

    Beijos e muita admiração!

    Sonia Regina.
    Sonia Regina Lomardo | 02.11.09 – 5:38 pm | #

  3. Dinah 5 de fevereiro de 2010 às 20:46 #

    Para Paulo e Sonia:

    Quando o clima favorece
    Todas as obras cintilam,
    São tesouros em silêncio.
    Em rimas germinam os sonhos
    …brotam os poemas
    …sinfonias que fascinam
    …as tintas criam vida, sorriem…
    E vê-se a Vida:
    A Obra Prima!

    Mas é preciso haver Clima!
    Dinah | 02.11.09 – 6:31 pm | #

  4. Dinah 5 de fevereiro de 2010 às 20:46 #

    Seria o ciúme entre poetas algo que mereça registro?????Tomara que não!!!!!

    Distraí-me e coloquei como de Carlos Drummond de Andrade uma poesia de Mário Quintana…Que falha!!!!
    Mas acho que não ofendi nenhum dos dois…eles são maravilhosos e moram, ambos em meu coração…talvez por isso eu tenha atrapalhado suas “pegadas”
    nos corredores de minha alma!!!!!

    Cabe imediato reparo…não quero mal-estar em nosso salão.

    Dinah, a distraída.
    Dinah | 02.11.09 – 7:01 pm | #

  5. Sandrinha 5 de fevereiro de 2010 às 20:47 #

    Oi gente.
    Sandrinha | 07.11.09 – 3:11 pm | #

  6. Bel 5 de fevereiro de 2010 às 20:47 #

    Que paradeiro por aqui, galera!!!
    Cadê Jucemir???
    Bel | 08.11.09 – 4:01 pm | #

  7. Sônia Regina 5 de fevereiro de 2010 às 20:48 #

    Se descobrir me avise onde o Jucemir se escondeu…também ando querendo saber!!!

    Sonia Regina.
    Sonia Regina Lomardo | 09.11.09 – 9:51 am | #

  8. Dinah 5 de fevereiro de 2010 às 20:48 #

    Ele é assim mesmo…tem seus períodos de auto-exílio.

    Um dia ele retorna livre, leve, solto…

    Um abraço para vocês.
    Dinah | 09.11.09 – 12:18 pm | #

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: