Arquivo | fevereiro, 2010

Marcha da Quarta-feira de Cinzas

18 fev

Olá!!!

E lá se vai a ILUSÃO virando a esquina, prometendo voltar ano que vem…

E quando a Ilusão se distancia, deixa em seu lugar a ESPERANÇA.
Sim, porque há sempre no coração das pessoas uma talvez discreta  (ou gritante) insatisfação com a realidade do cotidiano.

Carlos Lyra e Vinicius de Moraes foram, como sempre, geniais :

Marcha da Quarta-feira de Cinzas

Acabou o nosso carnaval
Ninguém ouve cantar canções
Ninguém passa mais brincando feliz
E nos corações saudades e cinzas
Foi tudo que restou.

Pelas ruas o que se vê
É uma gente que nem se vê
Que nem se sorri, se beija
e se abraça e sai caminhando
dançando e cantando cantigas de amor.

E no entanto é preciso cantar
Mais que nunca é preciso cantar
E alegrar a cidade.
A tristeza que a gente tem
Qualquer dia vai se acabar
Todos vão sorrir
Voltou a esperança
É o povo que dança,
contente da vida,
feliz a cantar.

Porque são tantas coisas azuis
e há tão grandes promessas de luz
Tanto amor para dar
e que a gente nem sabe…

Quem me dera viver pra ver
e brincar noutros carnavais
com a beleza dos velhos carnavais
Em marchas tão lindas
e o povo cantando seu canto de paz.

Baden Powell e Vinicius completam:

É melhor ser alegre que ser triste
A alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração…

(Principalmente se não vier “engarrafada”!)


Mas não vale desanimar, afinal
, “pra fazer um samba com beleza é preciso um bocado de tristeza, senão não se faz um samba, não”Nem poesia!

Um feliz resto de ano para todos… Ou será que o ano começa agora?!

É o AMOR outra vez

14 fev

Ando com pena do AMOR
Parece-me ser o mais solitário dos seres.
A vagar em busca de um pouso,
andando, voando, mergulhando
ou apenas se arrastando…
Resistência suspensa por um fio,
sem encontrar um único coração vazio.

De nada lhe adiantou seus poderes.

É um deus exilado,
sem porto, sem ninho,
sem descanso.

Sem rosto, é um forasteiro
que não merece confiança
e a quem negam acolhimento.

As hospedarias estão
abarrotadas de outros viageiros
– deuses menores, espalhafatosos,
invasores de todos os espaços,
atraindo para si os louros
do espetáculo.
Palhaços.

E vai o AMOR seguindo
o seu caminho.
Longe do picadeiro
de uma vida que lhe é estranha.

Um deus vencido, derrotado
pelo sucesso fácil,
pela vulgaridade do obsceno,
pelo falso brilho do obscuro.

E há quem concorde comigo:

" O amor sozinho vagava.
Sem mais nada além de mim…
numa eternidade inútil."
( Cecília Meireles)

Epa! Não me parece que eu esteja usando as lentes adequadas…Nem a Cecília!

É verdade que a sexualidade tem tentado substituir de vez a sentimentalidade.
Mas… é batalha perdida.

O tempo do "ficar", do "amor casual", do relacionamento inconsequente (deveras cheio de consequências abusivas) está batendo de frente com uma atitude vigorosa…

Sem o peso da moralidade vitoriana, as pessoas percebem que vale a busca do parceiro(a) que satisfaça, não só o corpo, mas que realize também aquele algo mais que preenche um cotidiano rico em experiências a dois.

E há tanto o que descobrir nesse relacionamento sem dominações nem subserviências , sem explorações de parte a parte, sem as pequenas indiferenças que vão sufocando, aos poucos, o promissor sentimento original.

Eu creio nisso, e torço por isso.

Esta postagem tem endereço certo.E dedicada a Bel e Masca, por quem sinto uma especial ternura e a quem desejo todo bem do mundo.

Bolo 29-01-2010 051

Eles nos garantem: "É possível!"

Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro também sabem:
É o amor outra vez
Veio sem avisar
Foi abrindo o portão
desse meu coração
pra me visitar
Pôs a mala no chão
Acendeu meu olhar
Me beijou com paixão
Me trouxe um perdão
que me fez chorar.

Quando o amor se hospedou
Todo o mal se desfez
Toda dor teve fim
Pois quem cuida de mim
é o amor, outra vez.

É o amor que dá vida
ao meu peito
Pra eu jamais ver o tempo passar
É o amor que dá paz
ao meu leito
E me ensina a sonhar
Só o amor faz um bem
tão bem feito
Que o destino não vai desmanchar
Só uma coisa no amor
não tem jeito:
É ter medo de amar.

Mas agora que eu sei
Todo bem que me fez
Vou seguir sua lei
No meu peito, meu rei
é o amor, outra vez.

Se o AMOR é tão lindo na poesia, imaginem na vida real…
( A melodia é belíssima , vão ao CD de Bethânia – TUA – para conferir!)

(Foto: Felipe de Paula)