Arquivo | março, 2010

É preciso estar atento e forte

26 mar

Post originalmente publicado em http://vamoscirandar.blogspot.com

Caminhar por veredas tecnológicas é, realmente, um abismo. De repente percebemos que algo está esquisito.

Houve o anúncio que este endereço estava condenado à morte…que ele iria sair do ar.
Acreditamos nisso e providenciamos outro endereço.
Passei a escrever no
www.vamoscirandar.wordpress.com … E, vejam só, até agora nada aconteceu para tirar este nosso encontro de circulação. É mesmo muito estranho, muito estranho…

Além de tudo, tenho visto inúmeras pessoas, de diferentes lugares,e mesmo países, que continuam a nos visitar, enriquecendo este blog.

Decididamente, não posso desconsiderar aqueles que insistem em estar assinando presença aqui. É um enorme prazer estar com todos que nos procuram a fim de um contato.E se o motivo maior for o bem-querer à poesia, então!…

Viver é viajar, com passagem comprada de ida e de volta…mas muitos esquecem isto. Cada momento vivido é um presente generoso da Vida.

Pouco importa se alguns dias são classificados de menos felizes…são passageiros, como também o são, os mais felizes.

É preciso estar atento e conseguir surfar as ondas que sobem e descem, com a maior boa vontade.

Sinal Aberto

Desde muito, muito tempo
– nem sequer me lembro quando –
vejo a alma escancarada
consumindo o que é divino.
Esponja absorvendo o bom, o belo,
e os bons ventos que chegam acariciando.

Mas… que dor, que desconforto:
Vejo também que, pelas dobras do destino,
entram o feio, o horrendo, o que é torto,
querendo se aninhar, quase em segredo,
criando involuções, gerando aborto
de sonhos, esperanças destruindo.

Pobre poeta, não vês
que o desgosto que sentes
é apenas um limite
que precisa ser transposto?

E assim, é melhor ir aprendendo com a natureza, observando tudo que nos envolve…Há muito o que aprender.
A generosidade é uma dessa divinas coisas.

DESVIO

Ah! hipoméia tão tola
florindo neste jardim,
centenas de botões a abrir
refreando sua fartura
– pensando poder fingir –
abre uma só flor por dia.

Existe muita gente assim:
tendo tanto amor pra dar,
temendo pelo futuro,
evitando se gastar
e não querendo sofrer,
distribui amor em gotas
numa tola economia.

Depois desse "recadinho", a hipoméia reagiu positivamente e enfeitou lindamente o jardim. Cabe a nós aprender a lição.

Um carinhoso abraço em todos vocês que valorizam este blog.

Uma estrangeira em seu próprio país

14 mar

Pois muito bem…claro, sou avessa a mudanças inesperadas…todo mundo o é (ou não!…).

Estou, aqui “inaugurando” uma nova postagem , em novo endereço…Seja lá o que Deus quiser!

Saberei mudar de cor, quando quiser?

…E de forma, se necessário?

ou de tamanho, …ou modificando, ao errar?

Saberei voltar ao normal ?

Em algum momento poderei destacar uma palavra especial?

Sabe, gente, é tanta coisa pra gente saber…e eu desconfio muito da minha competência.Em termos de informática eu estou próxima do ZERO ABSOLUTO !

Ando desconfiada até mesmo do meu AMOR pela POESIA.

Há poucos dias andei lendo um livro de poesia escrito por uma garota de menos de vinte anos. Estava até gostando, quando, de repente, descobri que o tal livro não era empolgante!!!!!

Oh! Céus!…Oh! dor…Oh! vida! De repente, não mais que de repente, eu me vi retratada naquela garota, só que com muito mais idade!

Então é assim?? A minha poesia também é inócua?

A minha poesia também cansa??

A minha poesia é, também, absolutamente dispensável?

Ninguém me ama??!!  Ninguém me quer?????

E me vi reduzida à expressão mais SIMPLES…

Ao meu tamanho real , à minha própria insignificância…

E, aos poucos , fui conseguindo compor alguns versos, que saíram assim:

Poesia...coisinha chata!
Somente ao próprio poeta
 arrebata.

Paixão à poesia

De tão incandescente

queimou-se a si mesma…Eternamente!


Um espinho na garganta

Voz roufenha, esquisita…

É o poeta que canta…

Voz do corvo: “Nunca mais…nunca mais…nunca mais…”

ÓTIMO!

O poeta deixou-vos em paz!

E aíííí…. ficou pronta esta nova postagem, experimental.

Claro que não consegui todos os “efeitos especiais” que gostaria…mas, lembrem-se:

Estou em outro endereço, usando

novas configurações!

Espero melhorar nas próximas oportunidades.

Um imenso

abraço…



 

COMUNICAÇÃO X INFORMAÇÃO

3 mar

…e pensar que já houve tempo em que a comunicação era difícil… Podem não acreditar, mas confiava-se até em pombos-correio. A informação também era escassa e tantas vezes anacrônica.

Não havia Animal Planet, ou Discovery Chanel, nem National Geografic, ou Google, etc.

Ou ainda a infinidade de publicações pretenciosas de satisfazer e alimentar a curiosidade humana em todas as direções para as quais ela se orienta.

Na sociedade do espetáculo, entretanto, há um inacreditável bombardeio de informações, de tal maneira que já não é necessário o esforço de buscar…

Tudo obedece à dominação da imagem que se impõe e tiranicamente submete (quase) todos à alienação da mídia deixando-os na suposição de que estão sendo "informados" e " esclarecidos".E poucos são capazes de pôr a cabeça fora do oceano devastador da sociedade de consumo que engolfa tudo e a tudo engole.

Não parece, mas houve tempo que não era assim… havia momentos solitários, próprios para pensar… refletir… descobrir…

Para alguns, isso pode começar cedo.

E A LUZ SE FEZ

Lá, bem atrás,
no tempo das maiores descobertas,
no tempo dos por quês…
Pouca ressonância externa,
a criança entregue à criança.

Olhos abertos…
O desejo de ver, de saber,
de compreender
…e o pudor de perguntar.
Os adultos são tão certos!
Tão sábios!
Tão distantes!
Como chegar perto?
Melhor calar…
e a si mesma responder.

Janela aberta
e o raio de sol
vem acordar a manhã
do quarto escuro.

Infinitos e pequeníssimos
grãos de poeira fazendo festa no ar.
Dançando, cada qual
em seu próprio passo,
numa harmonia sem par.

E a criança viu ali
todo o Universo a vibrar.
Estrelas, cometas, astros,
nebulosas e…planetas.
Por sobre o planeta, os homens.

A cada manhã, o susto
– o que parecia forte,
seguro, confiável, sólido,
desmedido, interminável
era apenas…uma poeira no espaço!

O raio de sol a iluminou
– diante da criança
a fragilidade cósmica
e a sua própria insignificância.

…e aí nasceu, na consciência da criança, o espaço para cultivar o cuidado com o planeta, a sua casa. E ficou mais fácil, à medida em que ia se desenvolvendo, reconhecer a imprudência de alimentar vaidades, prepotência, e "dores insuportáveis".

" Tudo que eu quero é um acorde perfeito maior
Com todo mundo podendo brilhar no cântico…"

(Caetano)